Yasmin Thayná tem 23 anos, nasceu em Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense do Rio de Janeiro e cresceu na Vila Iguaçuana, em Santa Rita. Começou a rabiscar quando decidiu entrar para o grupo de jovens repórteres de sua cidade onde participou como repórter no projeto “memórias do cárcere”, realizado na 52ª DP e além de escrever para o blog CulturaNI. Aprendeu a pensar nos cineclubes e nas conferências de cultura que participou. É estudante de comunicação social da PUC-Rio e interessada por assuntos ligados à cultura digital, comunicação, cinema, literatura, raça e gênero. Passou pela Escola Livre de Cinema de Nova Iguaçu e desde os 16 anos dirige, escreve e participa de produções de curta-metragem. Idealizou um projeto de audiovisual onde trabalhou com mais de 300 alunos da rede pública de ensino da Baixada Fluminense do Rio de Janeiro. Depois de ter inventado umas 3 vidas, hoje escreve no Huffington Post, trabalha na Fundação Getulio Vargas na Diretoria de Análises de Políticas Públicas (FGV-DAPP) como pesquisadora em política pública e comunicação, co-fundou o projeto Nova Iguaçu Eu Te Amo, faz parte do Coletivo Nuvem Negra (coletivo de estudantes negros da PUC-Rio), dirigiou e escreveu o filme KBELA, uma experiência cinematográfica sobre ser mulher e tornar-se negra.